31 jan, 2019

Sem consenso, trabalhadores da GM em Gravataí permanecem mobilizados

Reunião em São Paulo com a direção da empresa terminou sem acordo e trabalhadores confirmam encontro com o prefeito de Gravataí para esta quinta-feira (31/01)

O objetivo principal, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (Sinmgra) , é fazer com que seja cumprido o que havia sido colocado em contrato. Segundo o diretor administrativo da entidade que representa quase seis mil trabalhadores do complexo automotivo da unidade localizada no Rio Grande do Sul, Valcir Ascari, o impasse foi grande no debate com a alta cúpula da GM realizada na fábrica de São Caetano do Sul.

– Não houve consenso. Temos um contrato que garante o reajuste e o PPR desse ano. Não podemos mexer nas regras com o jogo em andamento. Contratos foram feitos para serem cumpridos e por isso continuaremos mobilizados -disse.

Foram mais de três horas de reunião na tarde de segunda-feira (28/01) com a presença do diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari e do diretor jurídico do Sindicato, Edson Dorneles com o vice-presidente da GM, Marcos Munhoz e diretores. O debate deve continuar, porém não há uma confirmação de data e nem local para um próximo encontro. Enquanto isso, os sindicalistas permanecem em frente aos portões da unidade de Gravataí conversando com os trabalhadores e atualizando sobre o andamento das negociações.

Para a manhã desta quinta-feira (31/01) foi marcada uma reunião com o prefeito municipal de Gravataí, Marco Alba. O Sinmgra quer entender medidas que estão sendo tomadas por parte do município e alinhar as ações junto ao Governo do Estado.

Entenda o caso:

A crise na General Motors teve início após declarações dadas por integrantes da alta cupula da empresa de que havia a possibilidade da empresa abandonar investimentos no Brasil e América do Sul, caso os resultados financeiros não fossem melhorados. Como medidas emergenciais foram listadas 21 alterações que foram, rejeitadas em assembleia realizada pelos trabalhadores da GM em Gravataí. Um protesto foi realizado na manhã de segunda-feira (29/01).

Itens que estão em pauta

1. Formalização de Acordo Coletivo de longo prazo (2 anos) renováveis por mais dois anos.

2. Negociação de valor fixo e substituição de aumento salarial para empregados horista e congelamento ou redução da meritocracia para mensalistas.

3. Negociação de Participação nos Resultados com revisão de regras de aplicação, prevalência da proporcionalidade, transição para aplicação de equivalência salarial e inclusão de produtividade.

4. Participação dos Resultados por três anos sendo zero no 1o ano, 50% no 2o ano e 100% no 3o ano. 5. Suspensão das contribuições da GMB por 12 meses de Previdência

6. Alteração do Plano Médico

7. Implementação de Trabalho Intermitente por Acordo Coletivo e Individual

8. Terceirização de Atividades Meio e Fim

9. Jornada de Trabalho pde 44 horas semanais para novas contratações

10. Piso Salarial de R$ 1.300,00

11. Redução do período de complementação auxílio previdenciário para 60 dias para um evento no ano.

12. Renovação de Acordos de Flexibilidade

13. Rescisão no Curso de Afastamento d para empregos com tempo para aposentadoria (nova)

14. Desconsideração de Horas Extraordinárias (novas)

15. Trabalho em Regime de Tempo Parcial

16. Jornada Especial de Trabalho (12/36 horas)

17. Ajuste na Cláusula de Férias com parcelamento previsto em Lei

18. Regramento do Contrato de Trabalho Intermitente

19. Implicabilidade de Isonomia Salarial acima dos 48 meses ara grade nova

20. Cláusula regrando a adoção do Termo de Quitação Anual de Obrigações Trabalhistas

21. Congelamento de Política de Progressão Salarial horista por 12 meses

Trackback URL: http://playpress.com.br/2019/01/31/sem-consenso-trabalhadores-da-gm-em-gravatai-permanecem-mobilizados/trackback/

Leave a comment:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *